Fernando Haddad Presidente -- Todos pelo Brasil

Conheça um pouco mais da trajetória do futuro presidente do Brasil.

Você já ouviu falar do Fernando Haddad e de seus grandes feitos como ministro da Educação de Lula e prefeito da cidade de São Paulo. Você já sabe também do extenso currículo de Haddad. Ele se formou em Direito, é mestre em Economia e doutor em Filosofia, sempre pela Universidade de São Paulo, da qual é professor há mais de vinte anos.
Haddad nasceu no dia 25 de janeiro de 1963. De família de imigrantes libaneses, é filho de uma professora e de um comerciante. É casado há trinta anos com Ana Estela Haddad, professora da USP, pesquisadora e gestora de políticas públicas. É pai do Frederico, de 26 anos, e da Carolina, de 18.

P resente de uma amiga, Stick, um cachorro de 11 anos de muita fofura, também faz parte da família. Os Haddads adotaram recentemente mais um membro, a agitada cadelinha Atena, sem raça definida, encontrada à beira de uma estrada e acolhida com muito carinho.

Do avô – que não conheceu, mas de quem guarda um retrato na carteira e uma grande devoção –, Fernando herdou a habilidade de mediar conflitos. Khouri (padre, em árabe) Habib Haddad era um homem respeitado na pequena Ainata, no Líbano. Líder religioso cristão e pacifista, era sempre chamado para resolver problemas locais. No fim da vida, veio ao Brasil para ficar perto dos filhos e, mesmo daqui, era requisitado. A família de Haddad conta que, com uma carta, ele resolveu um problema de demarcação de terra.

Uma curiosidade: Haddad foi ao Líbano e teve a oportunidade de visitar a casa em que seu avô morava, muitos anos após sua morte. Na residência, uma família que não tinha nenhum parentesco com ele exibia na parede da sala uma fotografia de Khouri Habib Haddad, a mesma imagem que Fernando tem na sala de sua casa.

Do pai – de quem sempre foi muito próximo – Haddad herdou a responsabilidade e a capacidade de dialogar com as pessoas. Atrás do balcão da loja de tecidos na Rua 25 de Março, tradicional endereço de comércio popular da capital paulista, Fernando passou mais de uma década.

Sua entrada no curso de Direito também está ligada ao pai. Haddad pretendia ser engenheiro, mas, depois de ver o pai cair no golpe de um estelionatário, mudou de ideia e se tornou advogado. Fernando foi presidente do Centro Acadêmico XI de Agosto, um dos mais importantes do Brasil, e ali já demonstrava seu caráter democrático e pacificador.

Outra curiosidade: em 1999, já atuando como professor da USP, Haddad criou a Tabela Fipe, uma ferramenta da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas utilizada até hoje como a principal referência no preço de automóveis usados e seminovos.

Aos 55 anos, Haddad reúne predicados que o tornam o nome certo para subir a rampa do Palácio do Planalto no dia 1º de janeiro de 2019. Ele tem experiência na administração pública e fez imensas melhorias na vida do brasileiro.

Haddad foi o melhor Ministro da Educação do Brasil. Ao lado de Lula, fez uma revolução no ensino brasileiro. Foi o que mais criou vagas em universidades. É o criador do Prouni, do Fies sem Fiador, do novo Enem, do programa Caminho da Escola, entre outros. Ele fez uma verdadeira revolução nos ensinos Superior e Médio, com a maior ampliação da história do ensino técnico no Brasil: foram mais de 400 novos campi de escolas federais em todos os 27 estados do Brasil.

Como prefeito de São Paulo, Haddad fez uma enorme mudança na mobilidade urbana. Ele priorizou o transporte público criando dezenas de faixas exclusivas e corredores para ônibus, reduzindo em até uma hora o tempo de deslocamento dos trabalhadores da periferia. Também combateu a corrupção, ao criar a Controladoria Geral do Município, e organizou as finanças da cidade, ganhando, por isso, um selo de reconhecimento internacional.

Além disso, Haddad implantou inúmeros programas – muitos deles premiados no mundo – para saúde, moradia popular, cultura, agricultura local e preservação ambiental. Foi considerado um “visionário” por jornais como The New York Times, The Guardian e vários outros canais estrangeiros.

Fernando Haddad está pronto para administrar o Brasil. Ele é o único capaz de trazer os bons tempos de volta. Comprometido até o último fio de cabelo com a democracia, ele é o nome certo para representar o povo em Brasília, porque vai governar o país por mim e por você.

No dia 28 de outubro, vote 13. Vote Haddad.

Outro dia o Lula disse assim: ‘Eu e o Haddad somos que nem o Messi e o Suárez. A gente joga a bola e não precisa nem olhar um pro outro e sabe o que o outro tá fazendo

E ssa tabelinha Lula-Haddad é responsável por quase 2 milhões de jovens que ingressaram na universidade através do ProUni. Isso sem contar o FIES sem fiador, o Sisu, o novo Enem e a maior expansão de vagas nos ensinos técnico e superior da história desse país. Como prefeito, Haddad organizou as contas públicas de São Paulo – retomando a capacidade de investimento da cidade em R$ 25 bilhões –, fez mais creches do que qualquer outro prefeito e modernizou a lógica de transporte público da cidade, focando no trabalhador que mora na periferia e trabalha no centro. O próprio Haddad nos disse quais eram as expectativas de Lula desde o início do trabalho e da amizade dos dois:

Ele me disse: ‘Eu tenho que ser o presidente que mais vagas em universidade abriu, porque eu não pude fazer faculdade...

“Eu queria ser economista, eu sou um sujeito que gosta de estudar, de saber das coisas e eu não pude. Se eu chegar à Presidência e não fizer a diferença, quem vai fazer? Os doutores? Os doutores já passaram por lá e não fizeram’”, conta.

Você, meu amigo e minha amiga, tem ideia da importância que é, para um filho de um trabalhador humilde, entrar em uma sala de faculdade? Tem noção do que é, para uma família pobre, ver, pela primeira vez, um dos seus com o diploma na mão?

É como Haddad tem dito por aí: “O povo tem que ter uma carteira de trabalho assinada em uma mão e um livro na outra”.

Manu é Haddad

Outra pessoa que aceitou o grande desafio de mudar o Brasil foi Manuela D’Ávila, que tem como sua principal marca lutar com a garra e a força características das mulheres brasileiras. A Manu, como é carinhosamente conhecida pelo país afora, é mãe da Laura e madrasta do Guilherme. Ela adora fazer feira toda semana. Manu é uma de nós.

É a candidata a vice-presidente mais jovem nesta eleição e enfrenta preconceitos de parte significativa dos parlamentares, por querer fazer da política um espaço de combate às injustiças. Com ternura, mas também com muita firmeza, defende o Brasil e sabe que o país pode ser uma grande nação e que o povo quer ser feliz de novo.

“Eu sempre tendo a olhar mais para o lado bom de ser uma mulher na política, porque o lado duro eu conheço e marca a minha pele”, ela afirma.

Ela, que pretendia registrar sua candidatura à presidência, topou unir forças com Fernando Haddad para devolver o Brasil ao povo brasileiro. E juntos, com o aval e o apoio de Lula, os dois vão redemocratizar o nosso país nas urnas e vão desfazer as políticas adotadas pelo golpe tramado por Temer, apoiado pelo PSDB de Alckmin e Aécio.

Manuela D’Ávila é gaúcha de Porto Alegre e nasceu em 18 de agosto de 1981. Aos 37 anos, nossa vice possui um legado notável na política nacional. Jornalista, mestranda e com uma importante passagem na militância universitária pela UNE (União dos Estudantes), foi a vereadora mais jovem a ocupar uma vaga na Câmara da capital do Rio Grande do Sul, com 23 anos. E esse foi só o seu primeiro recorde.

Dois anos depois, em 2006, foi a deputada federal mais votada em seu estado. Em 2010, voltou a ser eleita e, dessa vez, bateu o recorde nacional, com quase 500 mil votos. Manu, com 29 anos, já era uma política experiente, uma pessoa combativa no Congresso e uma mulher atenta aos cuidados com o povo, como demonstrou quando foi presidente da Comissão de Direitos Humanos. Não à toa foi apontada três vezes, pelo DIAP, como uma das 100 "cabeças" do Parlamento e indicada cinco vezes ao Prêmio “Congresso em Foco”, que premia os melhores parlamentares do Brasil.

Atualmente, é deputada estadual e, novamente, bateu recordes: foi a candidata mais votada do Rio Grande do Sul e não hesitou em ter a responsabilidade de ser a Procuradora da Mulher na Assembleia Legislativa. No seu "lugar do mundo", como gosta de chamar Porto Alegre, Manu tem atenção especial às pessoas que mais precisam e aos assuntos da primeira infância. A nossa candidata é uma das parlamentares mais queridas do Brasil e não recua diante da luta.

Manu foi a relatora da Lei dos Estágios, que criou garantias trabalhistas para milhões de estudantes. Elaborou também o Estatuto da Juventude, que protege a população entre 15 e 29 anos. É atuante na defesa de políticas públicas e de novos direitos. Foi autora de projetos importantes, principalmente nas áreas de educação, primeira infância e direitos humanos. A nossa vice está atenta ao que o povo precisa, ao que as mulheres precisam. Manu é uma de nós e já faz isso há bastante tempo.

Aos 25 anos, Manu foi deputada federal da base do governo Lula e sua trajetória ao lado do presidente mais amado do Brasil já carrega anos de lealdade. Essa característica pode ser vista neste vídeo da campanha presidencial de 2006.

Nas eleições de 2018, ao lado de Haddad, Manuela assumiu o desafio de rodar o país divulgando seu projeto de governo, pautado na democracia, que dialoga com o povo e suas demandas. Manu e Haddad firmaram o compromisso de trazer de volta o sorriso do povo, que vem sofrendo muito com o desmonte e as políticas de austeridade do governo ilegítimo de Temer. Juntos, eles têm a missão de nos colocar como solução, não mais como problema.

Sabe como Haddad e Manu se conheceram? Ele conta.

Manu é Haddad. Manu é o povo. Manu é a mulher no poder, é mãe, é a resistência. É uma de nós.


Últimas Notícias


Agenda

Haddad Presidente,
é o que Brasil precisa para ser feliz de novo.